Trilha Espiritual: Análise da Viagem a Darjeeling, Parte 2

Por Andy de Camargo

Por meio da visão de Wes Anderson na parte 1, exploramos as lutas dos personagens principais com seus sentimentos de conexão emocional e como isso veio a ser um efeito de seus relacionamentos e uma extensão de seus conflitos internos. Sendo verdade que um conflito emocional está presente com Jack, Francis e Peter, há um outro aspecto convincente do filme que explora um componente mais espiritual. Isso é expandido ainda mais no filme, na segunda parte de sua jornada, quando suas personalidades em conflito começaram a se expandir ainda mais, causando uma explosão turbulenta de suas emoções e práticas autodestrutivas. Inevitavelmente, os irmãos são expulsos do trem e deixados em uma parte aleatória da ideia e da India; em sua frustração, eles se vêem refletidos na presença de três meninos cruzando um rio.

Contemplativo de como espelhamos nossos reflexos conforme nos vemos. Ao considerarmos a meditação de nossa semelhança na presença da vida de outras pessoas, uma visão de compreensão e uma nova visão é o que cultivamos nesta cena. Ganhar emoções que podemos associar, ver que os irmãos se deparam com outro conjunto de irmãos é uma comparação e reflexo da representação de Jack, Francis e Peter. Esse vínculo notável entre os três personagens e a tragédia que se segue no rio une os personagens em um momento de tomada de atitude e esforço. No rescaldo da cena, conforme os irmãos são conduzidos à aldeia e ao se aproximarem, eles se tornam vulneráveis, pela primeira vez. A dor compartilhada pela perda do menino conecta sua capacidade de lidar com a dor. Conectando-se com o sentimento de perda do menino, Peter sente o peso da perda de seu pai mais uma vez com a sensação de seu fracasso em salvá-lo, assim como falha em salvar o menino. Na verdadeira natureza, o filme muitas vezes se refere a um guru que disse a eles para agirem de uma determinada maneira, e a marcação de uma jornada e tudo o que eles passaram. Eles fazem um ritual que para eles tem significado, não seguindo nenhuma regra, mas sim para suas sensações de renascimento. Através das palavras de Sadhguru, um guru indiano traz reconhecido da face de bons conselhos e sabedoria transmitindo uma ideia que é expansiva em nossos pensamentos sobre como o senso da espiritualidade e tristeza são transmutados juntos. Sadhguru diz que coisas suaves são necessárias no início do processo de crescimento do luto. o que explicaria o início da jornada de Jack, Francis e Peter e como eles trocam momentos de conexão entre si, bem como exploram seus relacionamentos, são tratados com gentileza e profissionalismo por aqueles que os cercam.

O guru pergunta, o que é dor? é a perda de alguém que fez parte da sua vida e que de uma forma ou de outra saiu da sua vida? Um único ser humano deixando nossas vidas não causa muita mudança, pois encontramos e deixamos centenas de pessoas todos os dias, ignorando ou morrendo. O problema é o espaço deixado dentro de nós, deixando-nos incompletos. Procuramos, assim, preencher este espaço de coisas com pessoas. A metáfora de Anderson da bagagem aqui expõem, os irmãos procurando a preencher o seu vazio com a sua bagagem emocional que os pesa. A conclusão é o que buscamos mais uma vez, o amor imenso é o sentimento que experimentamos como o reflexo das emoções que sentimos. Sadhguru se expande ainda mais sobre a desconexão do físico e nossas ideias que nos oprimem. Tentamos remover nossa humanidade, e às vezes que estamos descrevendo certas situações quando alguém comete um erro ou sofre, e dizemos que é porque a pessoa é humano, e quando alguém mostra um senso de divindade, narramos por outros como abençoados quando na realidade é tão humano quanto. Nossas qualidades mais expansivas devem ser confessadas a nós, por nós, como parte de nossa natureza, em vez de existir apenas como parte de nós que não nos pertence. O luto não é um sentimento indesejado de que, se esquecido, assim como a esperança e a fraternidade não o são, a cena do funeral dos meninos, teremos uma cutscene de Jack, Francis e Peter a caminho do funeral de seu pai. Sua natureza caótica durante aquele momento mostra pessoas tentando desesperadamente na tentativa de se completar, mas através disso também encontrando uma fraternidade umas com as outras enquanto defendem umas às outras.

Por meio das lições encontradas no budismo, o Dalai Lama busca nos ensinar o preenchimento desse vazio por meio da possibilidade de busca pela completude. Mais uma vez, pela busca da realização de um desejo da pessoa que já passou. Para usar o poder da transformação, para sentir os sentimentos para se permitir encontrar determinação em sua busca. Essa é a busca de nossos personagens em sua jornada conjunta para lidar com seu luto, onde encontra a determinação de buscar sua mãe. Isso significa lidar com seus sentimentos de abandono, o vazio que só é ampliado pela perda do pai. O crescimento é fundamental, na conexão uns com os outros à medida que nos tornamos mais distantes ou mais próximos do ser humano. A mensagem que a viagem a Darjeeling me trouxe é que não se trata de tentar superar a dor da perda. É, sim uma questão de seguir em frente, e isso pode ser visto enquanto o trio corre para pegar o trem, deixando de lado sua bagagem emocional e física e encontrando uma nova jornada em uma nova trilha. Uma nova trilha espiritual, e através de tantas palavras de sabedoria que todos nós podemos buscar, relembrar e tentar construir, quando esses sentimentos vêm em nossa direção em gratidão pela pessoa perdida, só resta a esperança de continuar. Porém, buscando de uma forma ou de outra, um novo caminho será encontrado, tocando nossos corações em um novo trem, deixando ir aquilo que nos pesa.

Andy de Camargo

é escritor, pintor e cantor. Autor do livro “As mães da virtude”, um livro de poesias inspiradas nas Deusas Gregas. Andy nasceu em Curitiba, é apaixonado por cultura e cinema, assim como pelos anos 1950 e música. Participou de vários shows e também amar ler, gosta principalmente de compor músicas e cozinhar. Sua arte está disponível no Instagram, assim como outras obras que em breve estarão disponíveis lá.

@andrewdc.art

Tags

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar

Adblock Detectado

Considere nos apoiar desabilitando o bloqueador de anúncios