MISTURA FINA – Renato Piau – Feminino Tom e o Paraná

“Eu toquei com dois reis legítimos da cultura popular Brasileira Luiz Gonzaga o Rei do Baião e Tim Maia o Rei do Soul e agora o príncipe da MPB, Luiz Melodia” Renato Piau

Por Giseli Canto

Um telefonema e a cortina se abriu pra conhecer a simpatia de desse artista. Ele que fez brilhar muitos outros artistas por intermédio de suas mãos de ouro, seu talento indiscutível de arranjar e tocar. Quando somos cantores queremos o melhor no palco, mas nem sempre o que há de melhor ali nos dando suporte, segurança, emoção e sentimento pra cantar, aparece. A gente apresenta, mas somos nós que aparecemos; a gente mostra quem está revelando o que temos de melhor, mas quem aparece mesmo, somos nós. Precisamos deles pra que nossa voz seja ouvida com beleza e, nesse conjunto de músicos e cantantes, fazemos o espetáculo acontecer.

Eu vos apresento aqui essa personalidade de magia carregada de talento e claridade em forma de música, chamado Renato Piau. Para mim, uma delícia de pessoa que surpresas deu à Curitiba revelando talentos, que eu já vou contar. Antes quero “rasgar a ceda” pra falar de algumas coisas que conversamos, que permeiam essa linda profissão que é a de ser músico. O público deveria saber mais dessa coxia, por isso falo aqui de algumas particularidades de Renato. Não posso escrever tudo porque faltariam páginas, falo um pouco que é para você ficar curioso mesmo.

Piau é um homem de conversa boa, sem frescuras e de acesso fácil. Risada frouxa e palavras soltas. Tem tanto a contar que a gente se perde na conversa. Histórias que nem imaginamos que se passam nos bastidores do artista. Só o livro que conta a biografia de Luiz Melodia já rende dias de conversa. Incrível como não temos a ideia da importância que algumas pessoas têm na trajetória de artistas famosos, histórias que muitas vezes morrem com eles.

Renato presenteou o mundo com a parceria de Luiz Melodia e tantos outros artistas com os quais trabalhou deixando seu talento marcado na obra de cada um deles. Foram inúmeras composições, arranjos, execuções musicais desse violão suingado, de toque limpo e afinado. Um piauiense porreta, como diz ele. O nome Piau vem de Piauí, mas também de um peixe muito malandro que só aparece depois do meio dia e para pescá-lo, somente no período da noite. Horário que consegui falar com ele.

Renato Piau é nascido em Teresina – Piauí.  Foi para o Rio Janeiro em 1971, passou por Brasília, mas hoje vive na cidade maravilhosa. Tocou com o rei do Baião, Luiz Gonzaga por intermédio de Jorge Salomão (1943-2003), esteve com artistas como Tim Maia, Raul Seixas, Sérgio Sampaio e Luiz Melodia. “Baiano e os Novos Caetanos”, uma grande participação na vida de Renato, que com Arnaud Rodrigues compôs mais de oitocentas músicas.

Você lembra dos ”Malditos”? Pois é! Lá estava Renato Piau com esses artistas que iriam fazer a história da MPB mais apimentada e venerada pela irreverência musical.

Meu nome é Ébano
Meu nome é Ébano

Desses, o que ainda ficou por muito tempo com Piau foi Luiz Melodia. Um casamento perfeito que durou mais de quarenta anos até o falecimento de Melodia. Se você quiser conhecer muitas dessas histórias com detalhes e se encantar pelas vidas desses artistas, leia a Biografia de Luiz Melodia, “Meu nome é Ébano”, contada por Toninho Vaz, escritor curitibano autor das biografias de Torquato Neto e Paulo Leminski. Tenho certeza que vai adorar. Mais um assunto pra se falar aqui em outra oportunidade.

Um belo dia Piau recebeu uma letra para uma música sua. Era Choro Alegre, um instrumental. Não era bem o que Piau esperava, mas mexeram daqui e dali e saiu uma nova música chamada Choro de passarinho com letra de Euclides e Rubens Cardoso. A composição tem a citação de vários choros que dão um tom todo especial ao chorinho. Pois bem, acontecia nos intervalos dos shows de Melodia, uma apresentação que dava a chance de Luiz descansar, tomar uma água e relaxar. Piau tocava esses instrumentais de sua composição que davam um brilho todo especial ao show.

Um belo dia, sem propósito algum, Jane, esposa de Melodia, pediu a Piau a letra de sua música, dando uma desculpa qualquer. Ele, claro, atendeu prontamente. Passou um tempo, foram convidados pra ir a uma festa de Mauricio Mattar. Como sempre, Piau foi pegar seu carro, mas surpreendentemente, Luiz pediu a ele que fossem junto no mesmo carro. Piau deixou seu carro e foi. Luiz Melodia então mostrou a gravação da música cantada por ele, já no CD da Biscoito fino. A surpresa de Piau foi grande e a emoção tomou conta do momento em que chorou e agradeceu a Luiz que também emocionado o abraçou. A gravação do show Estação Melodia está no acústico MTV, em que Jane e Melodia cantam a música Choro de Passarinho.

Renato Piau e Luiz Melodia
Renato Piau e Luiz Melodia

As histórias são muitas: os sumiços que Luiz Melodia dava por diversas vezes; a vez que ficaram perdidos na Alemanha; o show de Luiz Melodia em Copenhagen no Jazz Festival na Dinamarca, em que, ao ser apresentado, Renato Piau é ovacionado por quinze minutos de pé. Momentos curiosos e divertidos dessa amizade que rendeu frutos na vida, na profissão e na música.

Com Renato Piau continua assim: é figura importante na vida de muitos artistas com sua produção musical e a disponibilização de seu trabalho e de sua obra. Com seu selo Guitarra Brasileira e em parceria com o produtor cultural Claudio Vieira busca novas possibilidades de apreciação da arte e trabalha na formatação de projetos culturais e leis de incentivo. Tudo isso para trazer ao artista a viabilização de seu projeto junto ao mercado e é bem assim, desse jeitinho, que você vai entender a relação de Renato Piau com Curitiba.

Ele tinha a ideia de realizar um projeto que se chamaria Feminino Tom com Renato Mendonça (1946-2020), que o presenteou com um violão, para gravar músicas de Tom Jobim com cantoras. Tudo estava indo muito bem quando aconteceu o falecimento Renato Mendonça. Piau então não desistiu da ideia, desenvolveu um trabalho colocando suas composições e de outros compositores.

Surgiu então o primeiro álbum Feminino Estava praticamente pronto, quando descobriu por intermédio de Toninho Vaz, que tinha uma cantora de Curitiba sugerindo a Toninho, escritor da biografia de Melodia, que fizesse uma homenagem a Renato Piau no livro. Sim, ele era uma figura muito importante na história de Luiz Melodia e não podia passar inalcançável para os leitores, havia de ser enaltecido.  Sem saber que muito do que constava na história do artista estava nas palavras de Renato Piau e que ele já estava como uma figura ponderosa no livro, a cantora interviu dizendo da importância de Piau.  Arrazoado argumento levou Piau ao desejo de conhecer quem era essa cantora que se manifestou tão lisonjeira. Quem era ela? Norma Cecy.

Norma Cecy
Norma Cecy

Norma Cecy é cantora curitibana que alegrou e fez dançar muita gente nos grandes bailes da Aquarius Band e em casas noturnas de Curitiba com sua voz. Épocas em que os bailes ainda faziam sucesso. Norma está no Dicionário Cravo Albin da Música Popular Brasileira, que hoje contém cerca de doze mil verbetes e em constante atualização, a versão on-line do Dicionário Cravo Albin é uma obra de referência para os estudiosos da música popular brasileira.

Para a surpresa de Norma, Renato ligou pra ela e a convidou para entrar no Álbum Feminino Tom que já estava pronto. A partir daí foi uma sucessão de fatos inesperados e felizes revelam porque Piau ficou cativo de Curitiba. Norma gravou a música “Sem você” de Beto Bertaux e sem parar por aí, gravou no segundo Álbum a música de Arnaud Rodrigues e Renato Piau ”A Banda dos Desejos  e “Pequena Canção de Ediméia Barreto e Inamí Custódio Pinto (1930-2014). Mas Norma não ficou sozinha, levou junto com ela, além de Ediméia Barreto, que também gravou o instrumental “Outono” de sua autoria, a compositora Ana Sonia Barros, que gravou de sua autoria “Beija Flor”, Mais Sabor dela e de Vinicius Nagem e o instrumental, também de sua autoria, “Ninho de Passarinho”. Renato coloca na capa desses álbuns, fotos de mulheres fortes e marcantes como, Chiquinha Gonzaga, Elke Maravilha, Sandra Bréa, Ruth de Souza.

Espera! É muita coisa pra processar e contar! Segura mais essa! Essas canções ficaram entre as principais músicas mais ouvidas no Spotify durante muito tempo. Algo raro de acontecer porque os sucessos que estão, geralmente, entre Rio e São Paulo abriram alas pra essas mocinhas passarem. E viva o selo Guitarra Brasileira de Renato Piau, que deu mais visibilidade ao Paraná.

Vamos as apresentações!

Ediméia Barreto
Ediméia Barreto

Ediméia Barreto é Pianista e compositora, professora de piano, poeta e criadora de jogos didáticos musicais. Seu trabalho foi citado em mais de dez livros sobre a história MPB, por autores como Ricardo Cravo Albin, Nélson Motta, André Diniz, Rodrigo Moreira, Euclides Amaral e Antônio Carlos Miguel, além das biografias de Sérgio Sampaio, Tim Maia, Zé da Velha & Silvério Pontes, Cássia Éller e Luiz Melodia, entre outras.
Inami Custódio pinto é nada mais nada menos que um dos maiores folcloristas, pesquisadores e compositores que o Paraná já teve.

Ana Sonia Barros
Ana Sonia Barros

Ana Sonia Barros é compositora, flautista e cantora. Desde muito cedo iniciou seus caminhos na música. Primeiro como flautista, com o tempo começou a compor e hoje também está no Dicionário Cravo Albin.

Renato Piau continua enaltecendo a nossa música com seu trabalho e garantindo que a boa música seja preservada. Você pode ter acesso pelos links abaixo da Guitarra Brasileira, que pelo site também é possível ouvir música vinte quatro horas pela rádio web. Piau diz que tem uma equipe bem afinada com ele e o trabalho impecável das mãos de Yunane, Claudio Vieira que cuida da radio web e Ricardo de Moraes, seus parceiros de trabalho que estão sempre atentos e nos quais ele confia pra delegar o atendimento das necessidades do selo, Guitarra Brasileira. Depois de saber dessas histórias e de tantas outras, penso que Toninho Vaz tem material suficiente para produzir outra biografia. Por enquanto, fiquem com essas poucas aqui e, quem ainda não ouviu, ouça as mulheres que deram mais visibilidade ao Paraná nesses Álbuns de Feminino Tom.

“Eu toquei com dois reis legítimos da cultura popular Brasileira Luiz Gonzaga o Rei do Baião e Tim Maia o Rei do Soul e agora o príncipe da MPB, Luiz Melodia” Renato Piau

Guitarra Brasileira
http://guitarrabrasileira.com

Email: guitarrabrasileira@hotmail.com

Spotify
Feminino Tom https://open.spotify.com/Álbum/5HClvBBBrI1EIxQQWnAPuX
Feminino Tom,vol.2 https://open.spotify.com/Álbum/1DBxcgtTIjh0bdVaJjzCsp

Dicionário Cravo Albin da Música Popular Brasileira
https://dicionariompb.com.br/renato-piau

Você poderá discordar, perguntar, não entender direito, mas precisa gostar de estar aqui comigo! Do contrário não vale a pena!

Espero você aqui na próxima!

Siga também

Mistura Fina Facebook: https://www.facebook.com/misturafinaarte
Mistura Fina Instagran: https://www.instagram.com/misturafinaarte/
Mistura Fina: https://youtu.be/8y9QrxqLMRc

Tags

Giseli Canto

Giseli Canto é Arte-educadora, cantora, roteirista, produtora, apaixonada pela música, pela família e pelos amigos, que considera sua segunda família e tudo que se refere ao poder transformador dessa arte. Ama uma boa conversa e está sempre aberta a novos caminhos. Seu olhar otimista para o ser humano faz de sua vida um mundo recheado de boas relações e experiências.

Artigos relacionados

2 pensamentos “MISTURA FINA – Renato Piau – Feminino Tom e o Paraná”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar

Adblock Detectado

Considere nos apoiar desabilitando o bloqueador de anúncios