CuritibaExposição

Tauá – Arte indígena nas escolas

“Viva aceso, olhando e conhecendo o mundo que o rodeia, aprendendo como um índio(…) seja um índio na sabedoria.”  Darcy Ribeiro

Alunos do Ensino Fundamental (1ª a 5ª série), de cerca de 10 escolas municipais de Curitiba, serão beneficiados com uma atividade pouco convencional: oficinas de cerâmica indígena. O projeto chama-se Tauá – A Arte Indígena da Cerâmica e irá atingir com 60 oficinas mais de 2 mil crianças até julho deste ano.

Tauá significa argila em Tupi Guarani e a iniciativa, além de promover o exercício e a valorização do trabalho artesanal, visa destacar a importância, a beleza e a riqueza da cultura indígena brasileira, em especial a cultura da cerâmica. O entusiasta desta ideia e criador do projeto é o artesão, arte educador e músico Fabio Mazzon, que desde 2004 produzpeças de cerâmica a partir de pesquisas de técnicas ancestrais de modelagem e decoraçãoutilizadas por povos originais e indígenas brasileiros. Além de Mazzon, outro ministrante da oficina é o artesão e pedagogo Pietro Rosa que há anos desenvolve trabalhos com crianças, inclusive com necessidades especiais.

“A argila, como material, é um elemento natural que oferece muitas possibilidades: alimenta a fantasia, exercita a paciência, a concentração, estimula a imaginação, o espírito criador, a sensibilidade e ainda desenvolve o conhecimento cognitivo e a psicomotricidade”, destaca Mazzon. “Tendo como referência a cultura e a sabedoria dos nossos povos nativos ancestrais, decifrando mistérios, dominando técnicas e colocando as mãos na massa, as crianças terão a oportunidade de reconhecersua capacidade de criar, reproduzir e produzir, tendo a argila como elemento para sua expressão individual”, complementa.

O formato da oficina será sempre o mesmo em todas as escolas. Os alunos serão recepcionados ao som de músicas indígenas tradicionais de diferentes etnias, tendo como ambientação um cenário composto por imagens que retratam a técnica do acordelado, técnica utilizada na oficina, comum à quase totalidade das comunidades indígenas e também peças originais de adornos e artefatos (cocar, colares, cintos, instrumentos musicais, zarabatana, cerâmicas…) confeccionados por diferentes povos indígenas (Guarani, Kaingang, Fulni-ô, Yanomami, Tikuna, Baniwa etc.) de diferentes regiões do país. As crianças serão introduzidas ao tema a partir de histórias e mitos sobre a argila e bate papo sobre a diversidade dos povos indígenas brasileiros, sua riqueza, importância e sabedoria. Cada criança confeccionará uma peça que poderá ser levada para casa. A duração da oficina é de 1 hora e 40 minutos.

Os educadores também serão beneficiados com duas oficinas onde receberão conhecimentos históricos e culturais da utilização da cerâmica pelas culturas indígenas e mundial e realizarão atividades práticas de manipulação da argila utilizando a mesma técnica de confecção, o acordelado,  a fim de multiplicar as ações propostas pelo projeto.

“A possibilidade de confeccionar algo com as próprias mãos é extremamente saudável e fundamental para o desenvolvimento humano. Esse tipo de atividade não só estimula a valorização das artes manuais, mas também a criatividade e a socialização”, declara Rosa.

 A cerâmica no Brasil

Existem hoje registradas no Brasil mais de 250 sociedades indígenas, cada qual com sua cultura, seus costumes, suas crenças, sua arte.

A cerâmica é muito presente nestas sociedades, faz parte da cultura material destes povos nativos e carrega significados a serviço da manutenção da tradição de cada povo e da continuidade de sua identidade.Utilizando como ferramentas gravetos, cipós, penas, pedras, sementes e principalmente as mãos, criam panelas, vasilhas, vasos, cachimbos, apitos, brinquedos, urnas funerárias, instrumentos musicais, peças que posteriormente são decoradas com pigmentos naturais como o urucum e o jenipapo.

No Brasil, a cerâmica tem seus primórdios registrados na Ilha de Marajó, no Pará. A cerâmica marajoara tem sua origem na avançada cultura indígena que floresceu na Ilha. Estudos arqueológicos, contudo, indicam a presença de uma cerâmica mais simples, que ocorreu ainda na região amazônica por volta de 5.000 anos atrás.

A confecção de artefatos em argila é um aspecto presente na maioria das comunidades indígenas brasileiras. Em algumas comunidades a cerâmica é lisa, exclusivamente utilitária, em outras, além de utilitárias, encontram-se peças decorativas nas quais sobressaltam a beleza e variedade das formas, grafismos e pinturas, como é o caso das cerâmicas Marajoara, Tapajônica, Kadiwéu e Asurini. Onde for, a cerâmica mostra-se imbuída de cultura e extremo valor, acompanhando a história e o desenvolvimento da raça humana.

Este projeto foi viabilizado por meio da LEI MUNICIPAL DE INCENTIVO À CULTURA e FUNDAÇÃO CULTURAL DE CURITIBA e conta com o incentivo do Shopping Muller.

Posts relacionados
Exposição

Um jardim encantado em Curitiba

Curitiba

Produtora curitibana abre teste de elenco para nova produção

Exposição

Maior jardim de esculturas público do Brasil, com obras de João Turin, vai completar um ano

Exposição

Grupo de artistas inaugura a mostra Univers9 no MuMA neste sábado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.