Mistura Fina – 29 de março, de 1693. Fundação da Vila de Nossa Senhora da Luz dos Pinhais.

Que Curitiba seja definitivamente a grife do planeta Terra! Eu abro a Boca Maldita, eu Largo da Ordem, mas amo você! – João Gilberto Tatára

Por Giseli Canto

Começo assim. Pra você sentir o sabor do som e depois entender o que eu digo.

Homenagem ao Azymuth, trio de música instrumental brasileira, por Mauro Martins na bateria (Alemanha), Fabio Hess no baixo e Jeff Sabbag no teclado (Curitiba). Trio, “Brasa Gente”, onde o baterista é baixista, o baixista é guitarrista e o pianista é só o dono do buteco. (Da página de Jeff Sabbag). CASCADE (Seven Falls) música que Alex Malheiros, compôs para as 7 Quedas do Iguaçu.

Aqui a gente faz Música! Aqui produzimos a Arte da melhor qualidade, porque estamos sozinhos em um universo de insatisfações recriadas a cada freme de segundos. Não há plena paz nessa decadente estrela pesada de minúsculos objetivos, que apavoram o povo e o fazem sentir medo do futuro, do que está por vir, do que irá restar de um tempo em que dificuldade é uma palavra que não define mais o momento. Esse agora! Esse instante! Esse estado de coisas que nos impedem de enxergar a perspectiva de um futuro razoável.

Fazer arte e ser artista é pra quem tem uma rocha dentro de si que brota a mais límpida água, que sacia a necessidade de viver.

Essa Mistura Fina é o ponto em que toda a vida vivida e sentida passa liquidamente, como por um filtro, através dos poros do corpo e se solidifica em forma de arte no interior do artista – reúne e emerge como música pra quem quiser ouvir. Significa que não existe uma produção de música do nada. Não nasce do nada, assim como a água em uma nascente. A chuva de adversidades, de lutas, de resgates, de sucessos e insucessos é absorvida pelo artista, rocha permeável, que vai se dirigindo para um ponto mais profundo do ser. Pode estar bem perto ou a centenas de quilômetros de distância do consciente. Um dia ela surge e transforma quem a ouve!

Em colunas anteriores falei de, e com alguns artistas que me possibilitaram florir meus textos com generosidade; João Gilberto Tatára, o mago da Segunda Autoral; Vini Moraes, com a doce viola; José Oliva, o mestre da Caixinhas de Atitude; Mauro Barbosa, a mais fina flor do espetáculo curitibano com Ai, AI, Ai; Wes Ventura, porque as ruas são seus palcos; Mara Fontoura, a sensível empreendedora de sucesso; Amanda Lyra, representatividade de artista e mulher com deficiência; e Fernando Vieira, que conseguiu sintetizar esse plural momento dizendo: O artista não é explicável, nem compreensível(…)A arte é seu alimento, seu teto, seu edredom.

Parabéns Curitiba, porque a gente tem a gente!


Semana que vem eu converso com Amanda Cortes, cantora, professora de técnica vocal, artista de Curitiba que, coincidentemente, faz aniversário hoje.

Assista o vídeo com a música “Curitiba” de Joao Gilberto Tatára. Edição É Show da TV É Paraná.


A música nos leva a muitos lugares e por vezes dá sentido a uma visão de mundo mais divertida e fantasiosa.

Siga também: https://www.facebook.com/misturafinaarte

Tags

Giseli Canto

Cantora paranaense de Curitiba, professora de Artes aposentada, roteirista, produtora, apaixonada pela música e tudo que se refere ao poder transformador dessa arte, pela família e pelos amigos, que considera sua segunda família. Ama uma boa conversa e está sempre aberta a novos caminhos. Seu olhar otimista para o ser humano faz de sua vida um mundo recheado de boas relações e experiências.

Artigos relacionados

4 pensamentos “Mistura Fina – 29 de março, de 1693. Fundação da Vila de Nossa Senhora da Luz dos Pinhais.”

  1. Mistura fina , muito bom estes documentários , parabéns por este trabalho que enriquece a arte de viver onde muitos informal estão sendo esquecidos e o mistura fina o faz ser lembrados . Obrigado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar

Adblock Detectado

Considere nos apoiar desabilitando o bloqueador de anúncios