Teatro

O drama poético “Pão e Circo” estreia dia 20 de agosto no Sympla

O que leva um atleta querido e campeão a decidir mudar o rumo de sua vida logo após uma partida histórica? Com direção de Isaac Bernat, o espetáculo “Pão e Circo”, que estreia dia 20 de agosto no Sympla, parte de um momento decisivo da carreira de um goleiro carioca para refletir sobre uma epidemia social silenciosa: o abandono paterno. Idealizada pelo ator e autor Pedro Monteiro, que assina a dramaturgia com Leonardo Bruno, a peça se inspira nos milhões de brasileiros que crescem sem o afeto do pai para criar, de maneira poética, uma história sobre paixão, sonhos, memória e a importância dos vínculos familiares. As sessões, de sexta a domingo, a partir das 18h, exibirão uma gravação do espetáculo realizada em junho deste ano, com direção de vídeo de Cavi Borges. O projeto tem patrocínio da CONTROL-LAB e da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro – Secretaria Municipal de Cultura através da Lei do ISS.

Mais de 5 milhões de brasileiros não têm o nome do pai na certidão de nascimento, e mais de 11 milhões de famílias são formadas por mães solo. O que esse abandono afetivo pode provocar na criança e no adolescente e que consequências deixa no adulto? “Neste espetáculo, quis trazer para o teatro um assunto relevante para a nossa sociedade: o papel do homem na criação dos filhos. E, para isso, optei por falar sobre a não criação. De que maneira essa lacuna influencia na vida do nosso personagem Edu? O pano de fundo da história é o futebol, uma paixão nacional, e um esporte que costuma criar vínculos fortes entre pais e filhos”, explica Pedro Monteiro, idealizador, coautor e protagonista do espetáculo.

Edu é um goleiro carioca, nascido e criado em Madureira, e titular do time Capela Futebol Clube. A história começa durante um jogo de decisão de campeonato e vai intercalar cenas da partida com outras que mostram a relação de um garoto e seu pai, um jogador de futebol. Um embate familiar vai mudar o rumo dos personagens. No elenco, estão Pedro Monteiro (Edu), Gabriela Estevão (narradora), Henrique Eduardo (jovem) e Osvaldo Mil (Júlio). “A trama mostra a importância dos vínculos familiares no nosso processo de amadurecimento. Muito do que a gente ouve aos 10, 11, 12 anos de um pai, mãe ou professor, fica guardado para sempre. Ao mesmo tempo, queremos mostrar o processo de cura de alguém que foi abandonado pelo pai. A personagem da Gabriela Estevão é, ao mesmo tempo, narradora, psicóloga e consciência, que vai levantar questionamentos e levar dados jornalísticos para a história”, explica o diretor Isaac Bernat.

Para Leonardo Bruno, coautor da peça, o espetáculo quer levar o espectador a pensar sobre o amor entre pais e filhos e a diferença entre os nossos sonhos genuínos e aqueles que herdamos da família. “Estamos em um momento de pandemia, com sentimentos como o luto, o medo, a tristeza a revolta, muito aflorados. E essa peça faz um retorno a um dos nossos sentimentos mais primitivos, que é o amor pela mãe e pelo pai. Temos a vontade de que a história faça o espectador abrir seu leque de afetos neste momento tão difícil”, observa. “A gente optou por não focar nos motivos que levam um pai a abandonar seu filho, mas no que isso vai provocar em quem foi abandonado. E de que maneira é possível superar as dificuldades e nos reconectar com nossos sonhos e com a criança que a gente foi um dia”, acrescenta.

“Pão e Circo” foi um espetáculo idealizado para os palcos e adaptado para o formato virtual devido à pandemia. A obra foi filmada em dois dias no Centro Coreográfico da Cidade do Rio de Janeiro, em julho de 2021. “Essa experiência foi muito interessante porque tivemos um diretor de teatro e um de cinema, então a gente fez uma mistura de verdade dessas duas linguagens e pensamentos e não apenas um registro da peça. Filmamos plano a plano!”, comenta o cineasta Cavi Borges. Também fizeram parte da equipe criativa Doris Rollemberg (cenário), Bruna Falcão (figurino), Charles Kahn (direção musical), Andrea Jabor (preparadora corporal) e Aurélio de Simoni (iluminador).

Credito-BETO-ROMA

 Serviço:

Pão e Circo

Temporada: de 20 de agosto e 3 de outubro

Dias e horários: sextas, sábados e domingos, a partir das 18h. O vídeo ficará disponível por 24 horas

Ingressos: R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia). Vendas pelo Sympla (www.sympla.com.br/pao-e-circo__1288660)

Tempo de duração: 35 minutos

Classificação etária: Livre

Ficha Técnica:

Idealização: Pedro Monteiro

Dramaturgia: Leonardo Bruno e Pedro Monteiro

Direção: Isaac Bernat

Direção musical: Charles Kahn

Direção do vídeo: Cavi Borges

Direção de movimento: Andrea Jabor

Elenco: Gabriela Estevão, Henrique Eduardo, Osvaldo Mil e Pedro Monteiro

Stand-in: Lucas Oradovschi

Cenógrafa: Doris Rollemberg

Cenógrafa assistente: Maria Clara Almeida

Figurinista: Bruna Falcão

Figurinista assistente: Raphael Elias

Iluminação: Aurélio de Simoni

Cenotécnico: Beto de Almeida

Contrarregra: PV Israel

Fotografia/câmera: Fabrício Mota

Câmera 2: André Morbach

Som direto: Toninho Muricy

Edição: J.C. Oliveira

Acessibilidade: Daniela Mahmud

Fotos de divulgação: Beto Roma

Fotógrafo assistente: Rodrigo Castro

Produção: Dani Carvalho, Pedro Monteiro e Tamires Nascimento

Ass. de produção: Gabriela Estevão

Assessoria de Imprensa e gestão de redes sociais: Rachel Almeida

Programação visual: Fernanda Precioso

Assessoria Jurídica: Bruno Assis

Coordenação e planejamento para lei de incentivo: Bárbara Arraes

Coordenação de produção: Tem Dendê! Produções – Tamires Nascimento

Posts relacionados
Teatro

Espetáculo sobre Chiquinha Gonzaga abre a 53ª. Mostra Multiartes Cena Hum

Teatro

Curitiba recebe apresentações gratuitas do premiado espetáculo “VIK”, do teatro ilusionista de Maicon Clenk

Teatro

Espetáculo teatral Admirável Futuro Novo, faz temporada gratuita em Curitiba

Teatro

Musical gratuito “Quem Prospera Sempre Alcança” chega em Curitiba unindo humor e educação financeira

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.