Teatro

Lispector invade o Guaírao como um tsunami

A Hora da Estrela - Crédito foto: Daniel Barboza

Por Igor Horbach

A Hora da Estrela ou o Conto de Macabéa esgotou o Guaírao no último sábado (09) com uma promessa difícil de musical com a obra mais famosa de Clarice Lispector. Musicais no Brasil já são escassos, considerando as criações e não montagens da broadway. 

O texto de Lispector já se encontra em uma posição de incompreensão pela maior parte do público e isso atinge a dramaturgia da adaptação com força. Inúmeras cenas são confusas e difíceis de serem compreendidas em um primeiro momento. Para os que estão acostumados a linguagem teatral e as diversas estéticas, tudo se esclarece aos poucos no decorrer da narrativa, enquanto que para os leigos, acredito eu, que não seja possível. 

O trabalho do elenco é simplesmente incrível. O corpo das atrizes e do ator se desmancha a cada música e se renasce como uma fênix guiada pela dor de uma história comum, mas necessária em tempos mortais.

As músicas salvam as partes exatas em que a dramaturgia se mostra confusa. Chico César absorve a dor de Lispector e da personagem, converge para um espírito só e arranca de Macabéa a coisa mais poderosa que um ser humano é capaz de guardar para si: o grito.

Cenários abstratos pensados em uma estética contemporânea e que serve de base para uma atuação no mesmo contexto para o elenco. O rompimento da quarta parede também atinge os objetos grandes no palco quando a elevação deles é feita pelo maquinário em cena. É inebriante, exótico e bonito.

A banda com 3 músicos serve como uma segunda onda ao transformar mais uma linguagem da arte, a música, em um grito só de socorro. Refaz a dramaturgia em forma de poesia cantada, sentido e expulsa em forma de pavor melódico.

Iluminação de Macabéa vai colorindo, ou ao menos tentando, a história de uma vida sem cor. É nela que o público se agarra para a esperança de um final feliz. Assim como toda a composição da adaptação, a luz acende para transformar o elenco e a história em potencialidade cênica inigualável. Assim como faz o figurino pouca realista, mas condizente com a proposta.

A Hora da Estrela arrasta os seres da plateia por um pensamento incomum para a grande maioria dos frequentadores do teatro do luxo, como o Guaírao. Cutuca a ferida aberta de uma sociedade “estrelista” que morre de um dia para o outro e esquecida na linha do tempo da história contemporânea. Fala sobre o adeus de uma vida não vivida, de um grito negado pelo medo que sente por aqueles que nunca gritaram. 

Crédito foto: A Hora da Estrela – Crédito foto: Daniel Barboza

Sobre o autor

É autor, ator, dramaturgo e produtor brasileiro. Nascido em Tangará da Serra – MT, publicou seu primeiro livro aos 14 anos e o segundo aos 16. Em 2017 se mudou para Curitiba onde iniciou sua carreira de ator, produtor e dramaturgo. Em 2019, produziu e dirigiu a serie Dislike. Em 2020 publicou seu drama de estreia, Cartas para Jack. Em 2021 lançou a série de contos intitulada Projeto Insônia.
Posts relacionados
Teatro

Em seu 20º aniversário o Grupo Obragem de Teatro apresenta métodos artísticos em Websérie

Teatro

Cancelamento de vôo adia musical One Night Of Tina em Curitiba

Teatro

''MARIAS: História de Pomba Giras'', o novo curta-metragem da CIA KÀ trás a contemporaneidade brutal do século 21

Teatro

Neste fim de semana te contos no Guairinha

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.