Cinema

EM ODE AO CHORO, DIRETORA CECILIA ENGELS ABORDA O LUTO E O TRAUMA DE PERDER UMA AMIGA NA TRAGÉDIA DE BRUMADINHO

Era 25 de janeiro de 2019, feriado na cidade de São Paulo, quando a cineasta Cecilia Engels viajou com um grupo de amigos para se isolar no final de semana prolongado. Sem internet e telefone durante quase três dias, não teve acesso as redes sociais ou a notícias. Quando estava na estrada, de volta para casa, o sinal voltou e ela recebeu uma trágica notícia: sua melhor amiga, a quem chamava de Tata, morrera com a família no rompimento de uma barragem em Brumadinho (MG), onde passavam alguns dias.

“Em 2019 quando rompe a barragem de Brumadinho e morre minha amiga Camila, minha vida vira de ponta cabeça. Eu fui entendendo que a arte seria meu canal de expressão para decantar, assimilar e, quem sabe, curar as feridas que esse luto estava deixando em mim. Foi aí que eu decidi embarcar numa jornada que eu chamei de ritual – ensaio – filme, eram encontros filmados com pessoas que me ajudassem a elaborar todos os sentimentos que eu estava vivenciando”, explica a diretora.

Três anos depois, Engels lança o documentário ODE AO CHORO, que faz parte 4a Mostra de Cinema Paulista, promovida pelo SESC, e está disponível gratuitamente na plataforma SESC Digital até 26 de janeiro. No longa, a diretora narra seu longo e doloroso processo de luto pela perda de sua amiga, que tinha 33 anos e que conhecia desde a infância. “Cada pedacinho da minha vida tem uma parte sua”, diz numa homenagem a Tata.

O filme a acompanha durante o mês de outubro de 2019, nove meses depois do crime. Ao longo deste período, Engels procurou diversos tipos de terapias que a ajudariam a enfrentar aquele momento. A realização do filme se apresentou como “uma maneira de esvaziar a racionalidade” para poder continuar com sua vida.

Desde conversas até aulas de canto, com resgate de sua trajetória e de Tata, ODE AO CHORO é também uma celebração da memória dos que partiram e um valorização da vida. Assim, neste trabalho, a diretora faz uma homenagem à amiga e aos anos de convivência juntas, enquanto tenta encontrar uma maneira de seguir em frente. “O que fazer em caso de tristeza pós-morte?”, pergunta, lembrando-nos de que nunca estamos preparados para nos separar dos que partem.

Reencontrando cartas e fotografias, a cineasta procurou uma maneira própria de expressar sua perda, uma vez que “palavras não encontram o tamanho da dor.” Em busca de contornar tantos sentimentos diversos, a Cecilia cria imagens de uma poesia melancólica. O filme cria empática com aqueles que já passaram por luto e, também, convida para a reflexão de como, enquanto sociedade, lidamos com as perdas e os rituais de morte.

ODE AO CHORO pode, à primeira vista, parecer uma reverência a dor, porém ao longo da travessia sentimos que o filme é uma ode à amizade e à vida!

O filme conta com a participação de: Betina Turner, documentarista e terapeuta paliativista; Bianca Turner, vídeo mapping; Carol Pinzan, ritual relacional e performativo; Felipe Gomes Moreira, preparador vocal e cantor; Gustavo Vinagre, cineasta; e Tânia Piffer, ritual relacional e performativo.

Lançar ODE AO CHORO nesse momento, não deixa de ser também um alerta para lembrar o crime de Brumadinho e a impunidade ao longo desse tempo. “Prestes a completar três anos da tragédia, percebo que já vivemos algumas fases. Logo no começo é o choque da perda, o luto, a busca por coisas que nos estimule a seguir em frente.

Agora o que me desilude é a impunidade. Passo bastante tempo pensando e conversando sobre ela. A banalização de atos criminais contra a vida e contra o meio ambiente me provoca tamanha indignação! Não se pode explorar o minério a qualquer custo, o estado precisa ser rígido nos critérios de operação desta atividade. Os rompimentos de barragens são o ‘auge’ das tragédias, além disso no dia a dia, com menos visibilidade, as mineradoras estão contaminando rios, criando disputas de territórios, perseguindo ativistas.

O processo judicial sobre o crime da barragem do Córrego do Feijão precisa ter um desfecho pautado na justiça, com os devidos responsáveis sentenciados e as reparações às vítimas e ao meio ambiente condizentes com o tamanho do estrago.”

ODE AO CHORO está disponível em:

https://sesc.digital/conteudo/cinema-e-video/mostra-sesc-de-cinema/ode-ao-choro

Sinopse:

ODE AO CHORO é um passeio pelo luto de Cecilia, diretora de cinema há 13 anos. Em 2019 ela viu sua vida virar de ponta cabeça quando, no rompimento da barragem de Brumadinho, sua melhor amiga morreu. Em busca da restauração de seu trauma, Cecilia se encontra com algumas pessoas que a estimulam a falar sobre a morte e o luto. Por um recorte autobiográfico, a diretora vira personagem da obra para falar sobre seus medos, sua fé e sua percepção da morte.

Ode ao Choro | Trailer from Plano Astral Filmes on Vimeo.

 

Ficha Técnica

Direção, roteiro e produção:  Cecilia Engels

Direção de Fotografia:  Thaisa Oliveira

Som Direto: Enrico Porro

Edição: Cecilia Engels e Daniela Gonçalves

Consultoria de edição: Fernando Solidad e Joana Ventura

Edição de Som e Mixagem: Helena Duarte

Correção de cor: Thaisa Oliveira

Designer gráfico e motion: Bruno Bayeux

Trilhas Instrumentais: Gustavo Raulino

Elenco: Bettina Turner, Bianca Turner, Carol Pinzan, Cecilia Engels, Felipe Gomes Moreira, Gustavo Vinagre, Tânia Piffer

Gênero: documentário

País: Brasil

Ano: 2021

Duração: 71 min.

Canção: Oceano – Bárbara Malavoglia

Trilhas: Brinquedo – Nei Zigma

Corredeira – Felipe Gomes Moreira

Sou Toda Ouvidos – Sandra Ximenez e Felipe Julián

Buselik taksim – Evgenios Voulgaris

Festivais:

8th La Paz International Film Festival, Bolivia

Mostra Sesc de Cinema Estadual

Festival de Cine Devocional, Argentina

SAN JOSÉ INTERNATIONAL FILM AWARDS, Costa Rica

Arraial Cine Fest, Bahia, Brasil

Mini Bio Cecilia Engels

Cecilia Engels é diretora e montadora audiovisual. Dirigiu seis curtas metragens, dois médias, um longa, vídeos institucionais e web-séries. Desenvolve projetos de ficção e documentário. Tem como norte a linguagem cinematográfica em diálogo com os temas de desenvolvimento social, ambiental, espiritual, artístico e de resgate da memória. Faz cinema com afeto e ética. Formou-se em cinema na FAAP em 2009. Especializou-se em direção na School of Visual Arts em Nova York.

Cecilia Engels is a director and an editor. Directed six shorts, two medium length, one feature film, web-series and institucional videos. She is engaged in fiction and documentary films. Cecilia has as a goal developing film that dialogue with social, environmental and spiritual development. She also works on projects to rescue memories. She graduated in cinema at FAAP in 2009. At School of visual arts in NY Cecilia did a specialization in film directing.

Filmografia

2021 – Ode ao Choro – longa metragem documentário

2020 – O dia que me tornei mais forte – curta ficção (Canal Futura)

2019 – Geni – curta metragem ficção

2015 – Apart-Horta – tele-filme doc/ficção

2015 – O Povo Dourado Somos Todos Nós – média metragem documentário

2015 – No Que Me Toca –  curta metragem ficção

2013 – Meu Nome é Bongo, eu toco djambe – curta metragem documentário

2012 – Não Deixe Joana Só – curta metragem ficção

2009 – Um Par a Outro – curta metragem ficção em 35mm

Inglês

2009 – One for another – short film fiction 35mm

2012 – Don´t leave Joana alone – short film fiction

2013 – My name is Bongo I play the djambe –short film documentary

2015 – The golden people are all of us – 63min documentary

2015 – How it touches me –  short film fiction

2015 – Home grown garden – 55 min fiction-doc

2019 – Geni – 15 min fiction

2021 – Ode to Tears – feature documentary

Posts relacionados
Cinema

Confira o trailer de Jesus Kid

Cinema

Cinema Super 8 é atração do Cine Passeio

Cinema

Universal Pictures Brasil divulga conteúdo especial de o Homem do Norte

Cinema

A vingança retorna a Gotham

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.