ExposiçãoSem categoria

Conheça o Solar do Barão por fotografias

Perto de completar 40 anos de atividades, o Solar do Barão é um dos mais antigos espaços culturais da cidade. Ele já foi residência do ervateiro e exportador Ildefonso Pereira Correia (o Barão do Serro Azul), unidade do Exército e desde sua criação se destaca por sediar os Museus da Fotografia e da Gravura, a Gibiteca, salas de cursos de artes gráficas e de exposições, entre outros.

Enquanto a retomada da visitação, dos cursos presenciais e das exposições não é possível por causa das medidas de prevenção contra o coronavírus, a equipe do local selecionou algumas fotos do espaço. A ideia é que os alunos e frequentadores possam matar a saudade e, quem ainda não o conhece, fique curioso para visitá-lo assim que for possível.

De residência a centro cultural

A história do Solar do Barão começa em 1975, quando o prédio então pertencente ao Exército foi adquirido pela Prefeitura. Ele passou por reformas e começou a funcionar em novembro de 1980, sob gestão da Fundação Cultural de Curitiba, exatamente 100 anos depois de ter começado a servir de residência ao Barão e à sua família. É tombado pelo estado e considerado Unidade de Interesse de Preservação do município.

A residência onde o Barão morou durante apenas 14 anos foi construída em estilo eclético e corresponde ao prédio central do conjunto de três edificações. Hoje funcionam no local o Museu da Gravura, os ateliês para criação e cursos de gravura e as salas de exposições. Ao lado da xilogravura, serigrafia, serigrafia e calcogravura, a litogravura é uma das técnicas de gravação praticadas nos ateliês e cursos oferecidos no Solar do Barão.

Artes gráficas

“O destaque dado a essa área tem tudo a ver com a atividade que o Barão ajudou a impulsionar, para facilitar a industrialização da erva-mate”, observa a coordenadora do Setor de Ação Educativa da Fundação Cultural, Hamilca Cassiana Silva. A fim de embalar o produto, explica, o Barão fundou a Impressora Paranaense, próxima da residência. Lá eram produzidas as embalagens, usando a técnica da litografia (impressão que usa a pedra como matriz para reprodução da imagem). A impressora ficava próxima, na esquina das ruas Presidente Carlos Cavalcanti e Riachuelo.

No mesmo estilo, à direita do solar propriamente dito, está a antiga Casa da Baronesa – prédio construído finds no século XIX para abrigar a viúva do ervateiro, Dona Maria José, e seus filhos. O Barão foi assassinado durante a Revolução Federalista, em Morretes, com apenas 45 anos. Hoje, no solar da família Pereira Correia, funcionam a Gibiteca e suas salas de cursos e exposições.

O conjunto à esquerda da antiga residência do empresário – hoje considerado herói nacional – data do século XX e foi erguido pelo Exército. É a sede do Museu da Fotografia e suas salas de exposições, além do Centro de Documentação e Pesquisa Guido Viaro (biblioteca especializada em arte) e o Setor de Ação Educativa (criado para promover a educação patrimonial de moradores, turistas, escolares e universitários por meio de visitas mediadas a sete pontos do Centro Histórico e proximidades). O Complexo Cultural Solar do Barão é um deles.

Clique Aqui

Posts relacionados
Exposição

Um jardim encantado em Curitiba

Exposição

Maior jardim de esculturas público do Brasil, com obras de João Turin, vai completar um ano

Exposição

Grupo de artistas inaugura a mostra Univers9 no MuMA neste sábado

Sem categoria

"O céu de Valentim" estreia em formato online pelo YouTube do Grupo Obragem de Teatro

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.