Teatro

Solo dos Mares e a Revolta dos Meninos Homens de Uma Nação Suspensa

partir da ideia central de uma narrativa sobre a história de vida e luta de João Cândido Felisberto, o herói injustiçado do Brasildurante a Revolta da Chibata, a Cia. Nossa Senhora do Teatro Contemporâneo apresenta espetáculo SOLO DOS MARES E A REVOLTA DOS MENINOS HOMENS DE UMA NAÇÃO SUSPENSA.

Solo dos Mares vai participar do Festival de Curitiba, na Mostra de Conteúdos Digitais Pandêmicos, e será exibida no CINE PASSEIO na Sala Valêncio Xaviernos dias: 30/03, às 15 horas, 02/04 e 08/04, às 18:30As sessões contarão com um intérprete de  Libras.

espetáculo que teve sua estreia no dia 10/12/2020, no TeatroLala, com transmissão ao vivo, e marca também a comemoração dos  40 nos de vida artística do artista Isidoro DinizEssa nova produção marca a primeira parceria entre a Isidoro e o dramaturgopesquisador da cultura afro- brasileira e teatro negro brasileiroSalloma Salomão que, junto a professora doutora Ione Jovinocriaram a dramaturgia do espetáculo

Vale ressaltar também, que SOLO DOS MARES é o espetáculo de estreia do ator mineiro Pedro Ramires que deu vida de maneira extraordinária ao personagem, tem a direção de Isidoro Diniz e Kátia Drumond e trilha original composta por Ricardo Verocai

Em meio a pandemia de covid 19, com ensaios realizados virtualmente e com a presença de poucos integrantes por ensaio, o espetáculo evidencia a invisibilidade dos nossos heróis pretoscomo João Cândido, que foi um líder nacional conhecido, mas não reverenciado.

Legado ao ostracismo e a uma vida penosatendo sua representatividade retirada da históriaAtravés de um “solo manifesto” serão narradas situações cotidianas apresentando o racismo estrutural que persiste até os dias atuais com tantos outros líderes nacionaisapontando também outras personalidades que não foram reverenciadascomo: Machado de Assis, Clóvis Moura, Carolina de Jesus, Grande Otelo, Clementina de Jesus, Abdias NascimentoIrmãos Rebouças, entre tantos outros.

Ao mesmo tempo, a ideia é traçar um paralelo entre a história do João Cândido Felisberto com a história do Benedito Izidoro Diniz criar um elo entre o João, que se tornou marinheiro e nasceu em1880, em uma fazenda no interior do Rio Grande do Sul e o Beneditoque se tornou artista e nasceu em 1958, em uma fazenda no interior do Paraná. Ambos homens de luta e resistência para superar todas as adversidades que a condição de pretos impõe.

Após sua liderança na Revolta da Chibata e a sua prisãoJoão Cândido foi perseguido como rebeldepunido e condenado pela instituição do estadoimpedido de reconstruir sua vida com dignidade e poder usufruir da sua expertise para se tornar um grande homem da Marinha Mercante, com visibilidadereconhecimento e prosperidadeBenedito passa por processo semelhante (e recorrente entre pessoas pretaspor conta do racismo estruturalinstitucionalizado no país. No entantosuas conquistas não impediram que ele não passasse pelo mesmo processo de exploraçãosegregaçãodiscriminação e racismo que tantos Beneditos, Marias, tantos artistas como as atrizes Odelair Rodrigues e Geisa Costa, os compositores Lápis e Itamar Assumpção passaram e passam até os dias de hoje.

Assim, SOLO DOS MARES quer mostrar que após tantas revoltas lutas eapesar de muitas conquistas a longo prazo do movimento negro e de diferentes líderes da luta antirracistaainda se continua no mesmo ponto de negaçãopois os pretos não alçaram seu devido lugar através de sua valorização e reconhecimento que todos esses talentos merecem

Nesse paralelo entre passado e presente, se evidencia a contemporaneidade do tema, para apresentar a força do racismo estrutural que até a atualidade oprime e impede a ascensão de pretos e pretas na sociedadeindependente da atuação dessas personalidades e do espaço geográfico que atuam.

Este projeto foi realizado através do programa de Apoio de Incentivo à Cultura Fundação Cultural de Curitiba e da Prefeitura Municipal da Cultura com incentivo do Ebanx.

Ficha Técnica:

Ator: Pedro Ramires

Direção e Pesquisa

Isidoro Diniz e Kátia Drumond 

Dramaturgia e PesquisaSalloma Salomão e Ione Jovino 

Trilha Sonora Original: Ricardo Verocai

Iluminacção: Lucas Amado 

CenárioRhenan Queiroz

Figurinos e AdereçosCristine Conde

Pesquisa e Direção de Fotografia
Pretícia Jerônimo 
Registro em Vídeo: Luigi Castel

Direção de Arte, Design e Edição de Vídeo
Ricardo Verocai 
Operador de Som: Filipe Castro

Tradução em 

Libras: Rhaulde Lemos FotosKraw Penas

Direção de Produção: Bia Reiner

Produção Executiva: Carlos Roberto Barbosa

RealizaçãoCiaNossa Senhora do Teatro Contemporâneo.

Sobre o autor

Vanessa Ricetti Ricardo, jornalista e assessora de imprensa, pós graduada em cinema, desde o início de sua carreira se dedica ao jornalismo cultural. Trabalha como repórter em rádio. Criou em 2013 o Jornal A Cena, onde divulga a arte e a cultura realizada no país.
Posts relacionados
Teatro

Em seu 20º aniversário o Grupo Obragem de Teatro apresenta métodos artísticos em Websérie

Teatro

Cancelamento de vôo adia musical One Night Of Tina em Curitiba

Teatro

''MARIAS: História de Pomba Giras'', o novo curta-metragem da CIA KÀ trás a contemporaneidade brutal do século 21

Teatro

Neste fim de semana te contos no Guairinha

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.