Teatro

Reflex(ação)

Videoarte online “IRETI”, da Cia. do Despejo - Foto: Duda Viana

 

por Bianca Nascimento

Eu sempre costumo dizer que a arte é um retrato da vida. E é por isso, que as pessoas que a recebem,  sentem, se identificam, vibram, ficam felizes, com raiva, ou tantos outros sentimentos. É porque, simplesmente, se enxergam ali. E é por isso que acredito na arte também como transformador social.

Por meio dela, o artista toca, de diferentes formas, em temas e pontos que ainda incomodam, e que ainda precisam ser tratados na sociedade. Por isso, hoje quero fazer um convite a todos os leitores, para que não vejam a arte como puro entretenimento. Ela é libertadora, faz pensar, educa, ensina.  

Carolina Virgüez  em “Vozes do Silêncio”  – Foto: Fábio Ferreira

Um desses temas que merece a reflexão é a visibilidade e a voz das mulheres na sociedade, que ainda as calam. Nesse sentido,  “Vozes do Silêncio” é uma montagem protagonizada por Carolina Virgüez  que recorre a três textos de ninguém menos que Samuel Beckett (1906-1989), dramaturgo irlandês considerado um dos mais influentes do século XX. O trabalho abre espaço para as personagens compartilharem suas histórias em uma temporada virtual.

Outro desses trabalhos é a videoarte online “IRETI”, da Cia. do Despejo, que tem a missão de dar voz às culturas afrodiaspóricas depreciadas ao longo da história. A obra é uma crítica à necropolítica brasileira e às violências sofridas pelas mulheres negras em nosso país. A montagem, que tem dramaturgia de Ingrid Alecrim e direção de Thaís Dias, é inspirada na mitologia Iorubá, sobretudo na figura de Nanã Buruku, orixá que cedeu a lama do seu domínio para a criação dos corpos humanos. Ela também é responsável pela desencarnação, uma vez que exige de volta a matéria criadora da vida.

 

 

Bianca Nascimento

Jornalista, atriz, nômade. Em sua jornada na arte e jornalismo, Bianca Nascimento esteve à frente da assessoria de imprensa de projetos culturais em Curitiba e na comunicação da Secretaria da Cultura do Paraná. Sua alma nômade já a levou para a África do Sul, onde morou e trabalhou com marketing na área de intercâmbio. Agora, há dois anos morando no Rio de Janeiro, onde já se aventurou como atriz em teatro de comédia e musical, traz para o Jornal A Cena, literalmente, as novidades da cena cultural do Brasil para Curitiba e de Curitiba para fora.

Sobre o autor

Bianca Nascimento Jornalista, atriz, nômade. Bianca Nascimento esteve à frente da assessoria de imprensa de projetos culturais e políticos. Sua alma nômade já a levou a morar 211 dias África do Sul, onde trabalhou na área de intercâmbio. Há mais de mil dias mora no Rio de Janeiro, onde já se aventura como atriz. E também de lá compartilha no Jornal A Cena as novidades da cena cultural e lifestyle (turismo, comportamento, gastronomia, moda) da cidade maravilhosa.
Posts relacionados
Teatro

''MARIAS: História de Pomba Giras'', o novo curta-metragem da CIA KÀ trás a contemporaneidade brutal do século 21

Teatro

Neste fim de semana te contos no Guairinha

Teatro

Primeiro Festival de Bolso de Teatro em Curitiba

Teatro

Teatro Guaíra será palco do "One Night Of Tina"

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.