Teatro

O musical infantil ‘Gabriel só quer ser ele mesmo’, que faz uma reflexão sobre as diferenças na educação de meninos e meninas, encerra temporada neste domingo, 31 de outubro, com sessões virtuais e presenciais

Gabriel é um menino de 8 anos que gosta de dançar balé e escrever poesias, ao mesmo tempo em que joga futebol e toca rock. Mas tem um problema: na escola onde estuda, ele é constantemente desencorajado a fazer atividades consideradas de menina. Será que o garoto vai desistir de fazer o que gosta para se adequar aos padrões sociais de gênero? Com texto da premiada Renata Mizrahi, direção de Renata e Priscila Vidca e direção musical de Marcelo Rezende, o musical infantil Gabriel só quer ser ele mesmo encerra temporada neste domingo, 31 de outubro, levando à cena uma história que, com leveza e humor, questiona as diferenças na educação de meninos e meninas e as expectativas de pais e professores em relação às crianças. O espetáculo é apresentado no Teatro PetraGold, no Leblon, e virtualmente, com ingressos pelo Sympla. A peça também marca a primeira parceria de Renata Mizrahi com o produtor Bruno Mariozz, que, há cinco anos, desenvolve um importante trabalho teatral voltado para o diálogo entre adultos e crianças, com temas profundos e sem subestimar a lógica infantil. “Gabriel só quer ser ele mesmo” é apresentado pelo Ministério do Turismo e pela Eletrobrás Furnas e tem patrocínio da Eletrobrás Furnas.

A trama tem início no aniversário de 9 anos de Gabriel (Paulo Verlings), quando o garoto expõe o medo de que ninguém apareça na sua festa devido aos inúmeros questionamentos feitos durante o ano na escola. A história, então, é contada em flashback, mostrando momentos em que tentaram impor a ele comportamentos baseados em estereótipos de gênero. A trilha sonora reúne canções originais, com letras de Renata Mizrahi e músicas de Marcelo Rezende. No elenco, estão Paulo Verlings, Aline Carrocino, Marcos França, Nathália Colón, Udylê Procópio e Clara Santhana, que vivem diferentes personagens.

A ideia surgiu depois que Renata assistiu ao documentário americano “The Mask You Live In”. Segundo o filme, desde a infância os garotos começam a brigar se alguém lhes diz “Quem aqui é a mulherzinha?”, demonstrando como o não reconhecimento da sua masculinidade parece torná-los fracos e “menininhas”. Ser “menininha” é considerado insulto. “Isso tem início nos primeiros anos e se arrasta por toda a vida”, lamenta a autora. “A hipermasculinização e hiperfeminilização se impõem às crianças desde o começo da vida. Até os brinquedos que são destinados para um ou para o outro são reflexos de uma tentativa de simplificar o mundo baseado em estereótipos de gênero, cuja origem não passa de mera construção social. Com este espetáculo, quero provocar a reflexão sobre educação infantil, sobre o quanto deixamos as crianças serem quem são, ou se estamos oprimindo a partir de uma conduta social automatizada”, completa.

A encenação é focada no trabalho dos atores, que se revezam em cena, criando uma dinâmica de jogo e ritmo. As músicas são interpretadas pelo elenco que, além de cantar, toca instrumentos como violão, pandeiro, kazoo, escaleta, tambor grave, castanhola, agogô de côco, chocalho pequeno, ukulele e triângulo. O cenário de Mina Quental foi idealizado em cima de cubos coloridos e de acessórios que simbolizam as mudanças de ambientes como o apartamento de Gabriel, a sala de aula e o pátio da escola. Também fazem parte da equipe criativa Ana Luzia Molinari (iluminação) e Flávio Souza (figurino).

Sinopse

Garoto de 8 anos questiona a divisão de atividades e brincadeiras entre meninas e meninos.

Ficha técnica

Texto: Renata Mizrahi

Direção: Renata Mizrahi e Priscila Vidca

Assistente de direção: Lilian de Matos

Elenco: Aline Carrocino, Marcos França, Paulo Verlings, Nathália Colón, Udylê Procópio e Clara Santhana

Músicas: Renata Mizrahi e Marcelo Rezende

Direção musical: Marcelo Rezende

Direção de produção: Bruno Mariozz

Assistente de produção: Anderson Pereira

Cenário: Mina Quental

Iluminação: Ana Luzia Molinari

Figurino: Flávio Souza

Assessoria de Comunicação: Rachel Almeida (Racca Comunicação)

Design gráfico: Patrícia Clarkson

Fotografias: Dalton Valério

Produção: Palavra Z Produções Culturais

Idealização: Teatro de Nós

Serviço

Espetáculo

Temporada: 2 a 31 de outubro

Teatro Petra Gold: Rua Conde Bernadotte, 26 Leblon.

Telefones: (21) 2529 7700 | 98765 4321

Dias e horários: Sábados e domingos, às 16h. Sessão extra dia 12 de outubro (terça-feira), às 16h.

Ingressos presencias: R$ 50 e R$ 25 (meia-entrada)

Ingressos virtuais: R$ 20.

Vendas:

Ingressos presenciais: https://bileto.sympla.com.br/event/68927/d/108593

Ingressos à venda: 30% da ocupação – 117 lugares.

Ingressos virtuais: www.sympla.com.br

Duração: 50 minutos

Classificação: Livre.

Posts relacionados
Teatro

''MARIAS: História de Pomba Giras'', o novo curta-metragem da CIA KÀ trás a contemporaneidade brutal do século 21

Teatro

Neste fim de semana te contos no Guairinha

Teatro

Primeiro Festival de Bolso de Teatro em Curitiba

Teatro

Teatro Guaíra será palco do "One Night Of Tina"

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.