Luz nos Trópicos é o grande vencedor do 9º Olhar de Cinema

Festival encerra edição histórica com presença em mais de 25 estados e público recorde

Em uma noite marcada pela forte presença feminina, passeios pela história foram destaque na mostra competitiva do 9º Olhar de Cinema – Festival Internacional de Curitiba, que aconteceu de 7 a 15 de outubro, excepcionalmente de maneira inédita, e teve espectadores em todas as regiões do país, com uma grande procura e público recorde. O filme ganhador do Prêmio de Melhor Filme foi Luz nos Trópicos, passeio poético e experimental pela história das Américas dirigido por Paula Gaitán.

Já voltado a uma história pessoal, o também poético longa-metragem português A Metamorfose dos Pássaros, foi o escolhido pelo público como o melhor filme da edição. Sua diretora, Catarina Vasconcelos, também recebeu do júri oficial o Prêmio de Contribuição Artística. Formado pela curadora e pesquisadora Tatiana Carvalho Costa, pelo crítico e programador Nicolas Feodoroff e pela jornalista e programadora Cynthia García Calvo, o júri também concedeu o Prêmio Especial à produção belga Victoria, do trio Sofie Benoot, Liesbeth De Ceulaer e Isabelle Tollenaere. Na competição de curtas-metragens, o grande vencedor foi o francês Telas de Shanzai, de Paul Heintz.

Entre os premiados das outras mostras estão Pajeú, de Pedro Diógenes, eleito como melhor longa-metragem brasileiro pelo júri, e Memby, de Rafael Castanheira Parrode, melhor curta. Os programadores James Lattimer, Haruka Hama e Gerwin Tamsma premiaram também como melhor filme da mostra Novos Olhares o longa O Ano do Descobrimento, de Luis López Carrasco. O grande destaque da mostra Outros Olhares foi o chileno Visão Noturna, de Carolina Moscoso Briceño, escolhido como melhor filme pelo júri formado pelos cineastas Shai Heredia, Maíra Bühler e Gil Baroni.

O Prêmio da Crítica, concedido pela Abraccine – Associação Brasileiras de Críticos de Cinema, foi para o filme Los Lobos, de Samuel Kishi. Os prêmios AVEC-PR, voltados para a produção paranaense, foram para os curtas Meia Lua Falciforme, de Dê Kelm, Débora Evellyn Olimpio, Destaque do Júri, e A Mulher Que Sou, de Nathália Tereza, Prêmio Berenice Mendes.

Todos estes filmes ganharão sessões extras. A partir das 19 horas de amanhã (16) até às 18h59 de sábado, será possível comprar o ingresso e assistir ao filme que quiser.

Também receberam menções honrosas os filmes O Índio Cor de Rosa Contra a Fera Invisível: A Peleja de Noel Nutels, dirigido por Tiago Carvalho e selecionado para a Mostra Outros Olhares, e Agora (Brasil, 2020, 70 min.), de Dea Ferraz, da Mostra Novos Olhares.

Confira a lista completa de premiados

LONGA-METRAGEM

Prêmio Olhar de Melhor Filme

Luz nos Trópicos (Brasil, 2020, 260 min.) de Paula Gaitan

Prêmio Especial do Júri

Victoria (Bélgica, 2020, 72 min.) de Sofie Benoot, Liesbeth De Ceulaer e Isabelle Tollenaere

Prêmio Contribuição Artística

Catarina de Vasconcelos, por A Metamorfose dos Pássaros (Portugal, 2020, 101 min.)

Prêmio do Público

A Metamorfose dos Pássaros (Portugal, 2020, 101 min.), de Catarina Vasconcelos

Prêmio de Melhor Longa-Metragem Brasileiro

Pajeú (Brasil, 2020, 74 min.), de Pedro Diógenes

Menção honrosa: Agora (Brasil, 2020, 70 min.), de Dea Ferraz

Prêmio de Melhor Filme da Mostra Novos Olhares

O Ano do Descobrimento (El año del descubrimiento, Espanha/Suíça, 2020, 200 min.), de Luis López Carrasco

Prêmio de Melhor Filme da Mostra Outros Olhares

Visão Noturna (Visión nocturna, Chile, 80 min.), de Carolina Moscoso Briceño

Menção honrosa: O Índio Cor de Rosa Contra a Fera Invisível: A Peleja de Noel Nutels (Brasil, 71 min.), de Tiago de Almeida

 

CURTA-METRAGEM

Prêmio Olhar de Melhor Filme

Telas de Shanzhai (Shānzhài Screens, 2020, França, 23 min.) de Paul Heintz

Prêmio de Melhor Curta-Metragem Brasileiro

Memby (Brasil, 15 min.) de Rafael Castanheira Parrode;

OUTROS PRÊMIOS

Prêmio da Crítica – Abraccine
Los Lobos (México, 2019, 95 min.), de Samuel Kishi

Prêmio AVEC-PR
Prêmio Destaque do Júri: Meia Lua Falciforme (Brasil, 2019, 22 min.), de Dê Kelm, Débora Evellyn Olimpio

Prêmio AVEC – Berenice Mendes: A Mulher que Sou (Brasil, 2019, 15 min.), de Nathália Tereza

Sobre o Olhar de Cinema

O Olhar de Cinema é um festival que busca destacar e celebrar o cinema independente produzido no mundo. São propostas estéticas inventivas, envolventes e com comprometimento temático, que abrange desde a abordagem de inquietações contemporâneas acerca do micro universo cotidiano de relacionamentos, até interpretações e posicionamentos sobre política e economia mundial.

Como sempre, a seleção apresentou ao público filmes que se arriscam em novas formas de linguagem cinematográfica, que estão abertos ao experimentalismo e que, ainda assim, possuem um grande potencial de comunicação com o público.

A edição contou seis mostras: Mostra Competitiva, Novos Olhares, Outros Olhares, Olhares Brasil, Exibições Especiais e Mirada Paranaense, além da Mostra Foco, em homenagem ao realizador goiano Daniel Nolasco

O 9º Olhar de Cinema – Festival Internacional de Cinema conta com apoio da Copel, Ademilar e Lojacorr. Apoio Cultural: Ag 433. Projeto realizado com o apoio do programa de apoio e incentivo à cultura – Fundação Cultural de Curitiba e da Prefeitura Municipal de Curitiba. Projeto aprovado no programa estadual de fomento e incentivo à cultura | PROFICE da Secretaria de Estado da Cultura | Governo do Estado do Paraná.

Tags

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar

Adblock Detectado

Considere nos apoiar desabilitando o bloqueador de anúncios