“SEMENTES: MULHERES PRETAS NO PODER”

Dirigido por Éthel Oliveira e Júlia Mariano, filme mostra Jaqueline Gomes, Mônica Francisco, Rose Cipriano, Renata Souza, Tainá de Paula e Talíria Petrone - mulheres pretas que responderam ao brutal assassinato da vereadora Marielle Franco com ações políticas

O documentário “SEMENTES: MULHERES PRETAS NO PODER”, que teve sua estreia online e gratuita no feriado de 07 de setembro, registrou mais de 8 mil visualizações em menos de 24 horas. Dirigido por Éthel Oliveira e Júlia Mariano, o filme fica disponível online e gratuito no site da distribuidora www.embaubafilmes.com.br ou no canal youtube.com/embaubafilmes, até 30 de setembro.

O FILME

O filme acompanha, escuta e revela quem são algumas das mulheres pretas na política do Brasil, que emergiram após o brutal assassinato de Marielle Franco. Em um país com a menor representação parlamentar feminina na América do Sul e com menos de 10% de cadeiras, existentes na câmara dos deputados, ocupadas por mulheres – responder politicamente ao assassinato de Marielle Franco significou candidatar-se a cargos de deputadas federal e estadual nas eleições de 2018, disputar o espaço da política institucional do qual Marielle foi brutalmente arrancada.

No Rio de Janeiro em 14/03/2018, a vereadora Marielle Franco é brutalmente executada. Tristeza e indignação inundam os dias posteriores ao assassinato. Milhões de brasileiros saem às ruas, em todo país e no resto do mundo, para cobrar justiça e uma resposta que até hoje não temos: quem mandou matar Marielle Franco?

A tentativa de silenciamento da vereadora se transformou em força e luta. Marielle era semente. Seus assassinos não imaginavam que seu legado se multiplicaria em novas forças políticas femininas, em sua maioria de mulheres pretas e periféricas como ela, que vieram em forma de organização política e anunciaram suas candidaturas aos cargos de deputada federal e estadual nas eleições de 2018. Houve um aumento de 93% em candidaturas autodeclaradas pretas em 2018.

SEMENTES: MULHERES PRETAS NO PODER” foi rodado no Rio de Janeiro, durante o primeiro turno das eleições de 2018 no Brasil, acompanhando seis candidatas: Mônica Francisco,  Renata Souza, Talíria Petrone, Rose Cipriano, Tainá de Paula e Jaqueline Gomes e mostra como é o processo de construção dessas mulheres como figuras políticas, como driblam as dificuldades financeiras e trazem de volta às urnas eleitores desacreditados que desistiram do voto.

O longa foi feito com baixo orçamento, e sempre teve uma equipe majoritariamente feminina e com paridade entre mulheres brancas e pretas. Sua equipe técnica é formada por mulheres pretas na direção, roteiro, direção de fotografia e trilha sonora, o que garantiu a elas estar em posições de chefia e, mais que nada, que o olhar do filme fosse pelas perspectivas diversas dessas mulheres pretas, assim como as retratadas em frente às câmeras.  “SEMENTES: MULHERES PRETAS NO PODER”  é o primeiro longa da co-diretora Éthel Oliveira, da fotógrafa Marina Alves e da roteirista Lumena Aleluia. Uma escolha da produtora executiva e co-diretora Júlia Mariano, que coloca em perspectiva o próprio cinema brasileiro e toda a produção de memória e história que vem com ele. Um cinema fundado no fazer de pessoas brancas, que desconsidera outras perspectivas e olhares de mundo. Esse mono-olhar branco, que constrói nosso imaginário coletivo, é redutor e empobrecedor. Mas para além disso, é também constitutivo do racismo estrutural brasileiro. É só se perguntar como o corpo feminino negro é trabalhado no cinema nacional – para se ter o tamanho do problema.

SEMENTES: MULHERES PRETAS NO PODER” nasce do desejo de contar como a barbárie da morte de Marielle Franco se transformou no maior levante político conduzido por mulheres negras que esse país já viu e nasce também, com o objetivo de quebrar, de certa forma, essa cultura no audiovisual, e mostrar uma história sobre lideranças negras, contadas por profissionais negras.

SINOPSE:

Em resposta à execução de Marielle Franco, as eleições de 2018 se transformaram no maior levante político conduzido por mulheres negras que o Brasil já viu, com candidaturas em todos os estados. No Rio de Janeiro, Mônica Francisco, Rose Cipriano, Renata Souza, Jaqueline de Jesus, Tainá de Paula e Talíria Petrone se candidataram aos cargos de deputada estadual ou federal. O documentário acompanhou essas mulheres, em suas campanhas, mostrando que é possível uma nova forma de se fazer política no Brasil, transformando o luto em luta.

FICHA TÉCNICA:

Direção: Éthel Oliveira e Júlia Mariano

Produção Excutiva: Júlia Mariano |  Noix Cultura

Roteiro: Éthel Oliveira, Helena Dias, Júlia Mariano e Lumena Aleluia

Direção de Fotografia: Marina Alves

Direção de Arte: Julia Rocha

Coordenação de Produção: Helena Dias

Montagem: Mariana Penedo, edt.

Montagem Adicional: Gabriela Paschoal, edt.

Som direto: Anne Santos, Irla Franco e Vitória Parente

Edição de Som: Simone Alves
Trilha Sonora Original: Maíra Freitas

Mixagem: Daniela Pastote

Assistente de Produção Executiva: Júlia Araújo

Produção Brasília: Camilla Shinoda

Fotografia Adicional (Brasília): Carol Matias, David Alves

Som direto Adicional (Brasília): Juciele Fonseca

Distribuição: Embaúba Filmes

Distribuição de Impacto: Taturana Mobilização Social

Ano: 2020

País: Brasil

Gênero: Documentário

Duração: 100

Classificação: 14 anos

 

Sobre a NOIX CULTURA:

Produtora audiovisual com foco em documentários, a Noix Cultura foi fundada por Júlia Mariano em 2016. Com dez anos de experiência em realização de documentários e programas de TV, atuando tanto em direção como em roteiro e produção, Júlia Mariano funda a Noix Cultura com o objetivo de realizar documentários engajados em temáticas de defesas de direitos humanos. Em 2017, recém criada, a Noix realiza em co-produção com a Jurubeba Produções a série documental Desde Junho, que revisita 2013 pela perspectiva do midiativismo, com financiamento via FSA/ANCINE, exibida pela Rede EBC e, em segunda janela pelo canal CinebrasilTV, incluindo VOD. Desde 2018 a produtora se dedica ao desenvolvimento, captação e realização realização do documentário “Sementes: mulheres pretas no poder“.

 

Sobre ÉTHEL OLIVEIRA (co-diretora)

Documentarista, cineclubista e montadora. Estudou Ciências Sociais na UFF onde desenvolveu inúmeras pesquisas junto ao Laboratório do Filme Etnográfico com povos guaranis do Rio e de Mato Grosso do Sul. Por dez anos anos residiu em Olinda onde foi atravessada por todo universo da cultura popular pernambucana e junto de alguns grupos desenvolveu projetos em torno do comunicação popular e dos direitos humanos. Seus últimos trabalhos são Terceira Diáspora e Vinte de Novembro (2011), Arremate (2017) e a Mostra Baobá de Cinemas Africanos do Recife (2018).

Sobre JÚLIA MARIANO (co-diretora e produtora executiva)

Julia Mariano atua como diretora, produtora e roteirista. Formada em direção na Escola de Cinema e Televisão de San Antonio de los Baños (EICTV), em Cuba (2005), entre 2008 e 2009 foi estudante convidada da Baden-Württemberg Filmakademie, Stuttgart, Alemanha, onde dirigiu o documentário Gegen den Strom (Contra-Corrente). Trabalhou como pesquisadora e roteirista em diversos programas de televisão, tais como Vai Pra Onde? (MSW)Viver para Contar (Discovery Channel), Revista do Cinema Brasileiro (TV Brasil) e Conexões Urbanas (MSW). Em 2012, produziu e roteirizou o longa-metragem A Batalha do Passinho, (Melhor Documentário na Mostra Novos Rumos no Festival do Rio, 2013). Em 2014 Júlia Mariano dirige Ameaçados – Prêmio do Público no festival Curta Cinema (Rio de Janeiro, 2014); Prêmio do Público no 25º Kinoforum (São Paulo, 2014), Melhor Direção no Festival Guarnicê (Maranhão, 2016). Em 2016 produziu e roteirizou Deixa na Régua (Prêmio Especial do Juri, Festival do Rio, 2016). Em 2017 funda a NOIX CULTURA e dirige a série documental Desde Junho. Atualmente realiza o longa documentário SEMENTES, produzido pela Noix Cultura.

Sobre a EMBAÚBA FILMES http://embaubafilmes.com.br

A Embaúba Filmes é uma distribuidora especializada em cinema brasileiro, criada em 2018 e sediada em Belo Horizonte. A empresa é dirigida por Daniel Queiroz, que vem de uma experiência prévia de mais de 10 anos como programador de cinema. Queiroz é um dos coordenadores da Semana de Cinema, que acontece no Rio de Janeiro e trabalhou anteriormente no Cine Humberto Mauro, no Cine 104, no Festival Internacional de Curtas de Belo Horizonte e no Festival de Brasília, dentre outros. A Embaúba possui, em seu catálogo, premiados filmes como Arábia, de Affonso Uchôa e João Dumans, Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de João Salaviza e Renée Nader Messara; Inferninho, de Guto Parente e Pedro Diógenes e No Coração do Mundo, de Gabriel Martins e Maurílio Martins. A distribuidora busca se diferenciar pela qualidade dos filmes lançados, apostando em obras de grande relevância cultural e política.

 

Tags

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar

Adblock Detectado

Considere nos apoiar desabilitando o bloqueador de anúncios