Cinema

Casa Vazia explora o contexto gaúcho que os sulistas tanto temem de ser mostrado

Por Igor Horbach

Se tratando de um dos estados mais patriotas do país e de um povo que idolatra suas culturas de maneira exagerada e superior, o Rio Grande do Sul se viu na saia justa com a produção Casa Vazia.

O filme com exibição no Olhar de Cinema expõe a dura realidade dos moradores do interior do estado que precisam conflitar entre si, entre o certo e o errado, o justo e o injusto para garantir o mínimo de sobrevivência.

Raúl é um morador isolado da região dos Pampas que a noite se junta a um grupo de ladrões para matar o gado dos fazendeiros e vender ilegalmente. Um dia, ao retornar de sua caçada, encontra sua casa vazia, sem ninguém. Esposa e filhos o deixaram para trás e foram para nunca mais voltar para aquela situação. Raul se vê no olho do furacão quando um grupo de vigilantes começa a percorrer seus rastros para fazer justiça com a própria mão. O roteiro é brilhante em seu debate social. Viaja por aquilo que é ignorado pela própria população sulista. Nos transporta para aquela vivência sofrida em uma angustiante tentativa de sobrevivência. Coloca em cheque a experiência de vida que deve ser prevalecida, entre o justo e o tudo ou nada.

A fotografia é perspicaz em montar em seu conjunto artístico toda a região natural do Sul, exibindo que não é só de belas paisagens que se vive o estado. É a exibição necessária para romper a bolha da civilização. A trilha sonora se prova condizente com a estética do filme, assim como a arte pensada.

A direção de elenco talvez tenha sido deixada mais de lado, dado a um roteiro tão intenso e complexo, mas profundo e com capacidades ilimitadas que pouco foram exploradas. Tanto o protagonista quanto os coadjuvantes não demonstram utilizar de todas as suas habilidades para interpretar tais vivências. Compreendendo um roteiro inteligente, potencializado, faltou recursos de direção artística para tornar a experiência cinematográfica mais marcante e poderosa.

De maneira geral, Casa Vazia é agradável de se ver e angustiando de se refletir. Está na linha tênue do bom e do fraco. Inexiste potência cênica motora para transformar o olhar do público leigo, mesmo com um roteiro tão forte.

 

Sobre o autor

É autor, ator, dramaturgo e produtor brasileiro. Nascido em Tangará da Serra – MT, publicou seu primeiro livro aos 14 anos e o segundo aos 16. Em 2017 se mudou para Curitiba onde iniciou sua carreira de ator, produtor e dramaturgo. Em 2019, produziu e dirigiu a serie Dislike. Em 2020 publicou seu drama de estreia, Cartas para Jack. Em 2021 lançou a série de contos intitulada Projeto Insônia.
Posts relacionados
Cinema

Maior fenômeno mediúnico da história terá sua vida contada nos cinemas em Predestinado - Arigó e o Espírito do Dr. Fritz

Cinema

Mostra de Cinemas Africanos acontece em São Paulo e Curitiba a partir de 6 julho

Cinema

"O que fazer quando a tristeza for grande?" estreia no dia 21 em junho pelo YouTube

Cinema

Com direção de Edu Felistoque e Erik de Castro, Amado chega aos cinemas nessa quinta (09)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.